03/02/2011

O que Marx realmente disse

Karl Marx era um feroz crítico da religião. Disso não há dúvidas. Mas é preciso fazer justiça ao comunista.

Talvez a frase mais conhecida de Marx seja “a religião é o ópio do povo”. Ele disse isso. Mas disse mais que isso. E tirar essa frase de contexto devia ser um crime lesa-pátria (ou "lesa-humanidade"). O trecho completo é bem mais rico e diz, entre outras coisas, que a religião é o coração de um mundo sem coração.

Ademais, repete-se essa frase sem a real consciência do que seja esse tal de ópio. Ópio é uma droga que anestesia a dor. A crítica de Marx se baseava nisso: a religião distrai, pacifica os oprimidos, faz com que os explorados acreditem que o sofrimento terá um recompensa futura. Inibe os homens de brigar pela justiça.

Nesse ponto, minha experiência religiosa me faz discordar frontalmente de Marx. Aliás, as práticas religiosas da igreja latinoamericana bastariam para desmoralizar essa crítica marxista. Contudo, sei que, fora das experiências libertadoras deste continente, a crítica do comunista faz muito sentido.

Mas sem aprofundar na crítica marxista, porque não sou, nem de longe, um conhecedor do tema, queria apenas trazer aqui o contexto em que a tão famosa frase foi dita. Ei-la em sua completude:

A religião é o suspiro da criatura oprimida, o coração de um mundo sem coração e a alma de situações desalmadas. A religião é o ópio do povo.


Aqui, o texto completo de onde se tirou a frase acima: http://migre.me/3Og1G
E aqui, um artigo bem interessante sobre a questão. Quando o li, este texto já estava praticamente fechado, mas me ajudou a solidificar algumas posições: http://migre.me/3OfZq

Um comentário:

Giovana Damaceno disse...

Hoje estava refletindo sobre pessoas informadas e pessoas cultas. Estava à frente de uma pessoa super bem informada, porém com um nivel cultural baixíssimo, desses que são capazes de errar concordâncias simples, por ignorância, que não sabem quem foi Marx ou o significado da palavra apóstolo. No entanto, sabem muito de coisas e fatos e tal que acontecem por todos os cantos.
Por que estou relatando isso? Porque pessoas assim até fazem sucesso, num meio restrito, têm lá sua graça, mas são limitadas, o horizonte é curto, o entorno tem poiuco diâmetro. E você, Jader, é um sujeito informado e culto. Muito me orguilha ter sido professora de um ser tão especial. Seu horizonte é infinito. Saiba aproveitar a informação e a cultura em seu favor. Não perca isso de vista. Beijo e parabéns.