12/05/2009

Política Moral

Luciano é um amigo da faculdade.
Grande cara: jornalista, flamenguista, anarquista!
(Petista?)

Achei esse texto dele brilhante. Ainda que eu questione alguns pontos específicos (afinal se não questionasse, não seria eu - rs), gostei bastante. Uma visão muito interessante!
Brinquei dizendo que nunca fui anarquista, mas depois de ler o texto até me deu vontade de ser, rsrsrs

Confiram...


Política Moral

Poder é algo que pertence a todo e qualquer ser humano. Sendo assim, todos podem fazer a sua parte sem precisar fazer política.

Todo cidadão tem o pleno direito de exercer o seu papel na sociedade de forma consciente e de acordo com as aptidões que possui. A sociedade é uma constante interação onde uns dependem dos outros. Essa interação entre homem e sociedade deveria se constituir numa ajuda mútua. Se cada um procurasse exercer o seu papel de forma correta, ciente de suas próprias responsabilidades sociais, a política ficaria em segundo plano. O nosso meio social já se constitui numa política em si, nós somos os principais agentes, os únicos capazes de modificar toda e qualquer estrutura, inclusive a nossa própria.

O ser humano é político do seu mundo, o planeta é dele. O mundo é nosso. Devemos preservar o lugar no qual habitamos, só assim poderemos usufruir de tudo que ele nos oferece de bom.

Além de se constituir em mentira das mais cabeludas, a política carnal demonstra o quanto o homem é mesquinho, orgulhoso e ambicioso. O desejo de se tornar melhor e mais poderoso do que o outro faz com que ele sinta a necessidade de mandar, exigir, mentir, destruir, roubar, pecar e até matar. Tudo isso é uma verdadeira corrente onde vários outros aspectos negativos se entrelaçam, surgindo desavenças sociais que tanto afligem e prejudicam os homens, inclusive os próprios "políticos". Ninguém possui autoridade para governar sozinho um país, uma cidade ou seja lá o que for, porque todos nós somos e todos nós podemos. Todo mundo é artista, façamos a nossa arte.

A melhor política é aquela que visa a transformação do nosso interior. Renovando a alma, renova-se o mundo. Renovando-se o mundo, renova-se a vida. Exercendo a política da alma, o homem eleva o seu nível moral e passa a enxergar e a enxergar tudo por um prisma mais humano. Ele percebe que o mundo é seu.

Política destrói, liberdade constrói.

Antes que alguém me critique: sim, eu queria ter ido em Woodstock.


Luciano Neto



Mais em: recantodasletras.uol.com.br/autores/sombradaluz

3 comentários:

Giovana Damaceno disse...

Tenho orgulho de ter sido professora desse cara! Putz!

Lesliane disse...

O único defeito do Lú é ser flamenguista... rssss

Luciano Neto disse...

Pois é, ainda bem que hoje em dia vc pode publicar um texto desses no teu blog, rsrsrs.
( Mas mesmo assim, vamos com calma. Pela esquerda mas com os olhos sempre abertos. )

Um abraço!